Igreja Matriz de Alcabideche

Igreja Matriz de Alcabideche

Origem da povoação de Alcabideche

A etimologia do nome Alcabideche segundo alguns toponimistas, provém de uma palavra árabe, “al-qabdaq”, que significa “fonte de água” designação justificada pelos diversos cursos de água da região e fontes, duas delas grandes e especiais às quais se atribuíam virtudes medicinais. Alcabideche foi habitada por diversos povos, salientando-se a influência romana e árabe. A cultura árabe foi particularmente marcante. Alcabideche é citada pelos cronistas islâmicos desde o Século XI. É natural de Alcabideche Abu Zeide Abdarramão Ibne Mucana, um dos maiores poetas peninsulares do seu tempo. Pensa-se que a sua familia fosse de origem romana que, embora não convertidos ao Islão, adotaram elementos da língua e cultura árabe (moçárabe). A moagem foi a indústria mais antiga de Alcabideche. A ruralidade de Alcabideche é cantada por Ibne Mucana num dos seus poemas: “ Ó tu que habitas em Alcabideche, não te faltará o grão nem terás escassez de cebolas, nem de abóboras! Se és homem enérgico não te faltará a nora das nuvens, nem necessidades de mananciais, pois a terra de Alcabideche quando o ano é bom, não produz mais que vinte cargas de cererais e se der alguma coisa mais, chegam as manadas de javalis reiteradamente. (…)”.

 

Delimitação da freguesia de Alcabideche

A freguesia de Alcabideche é de fundação medieval. Fez parte da freguesia de S. Pedro de Penaferrim de onde foi destacada. Depois da constituição da freguesia do Estoril em 1915, o seu território estende-se numa área total de 39,77 Km2. Conforme o sensus de 2011 a densidade populacional é de 1060,1 hab/ Km2, com uma população residente acima das 42.000 pessoas.

 

Origem da Paróquia de Alcabideche

A população de Alcabideche foi desde sempre muito devota de Nossa Senhora. Para isso, muito contribuíram diversas aparições de Nossa Senhora nesta região, de entre elas destacamos a aparição de Nossa Senhora da Peninha a uma pastorinha das Almoinhas Velhas na Malveira da Serra. Estes factos levaram à construção de diversas ermidas, capelas e igrejas nas localidades da freguesia contribuído para um fervor piedoso. Ainda hoje se fazem procissões, romarias e peregrinações sobretudo a estes locais sagrados. A igreja Matriz de Alcabideche tem como padroeiro S. Vicente, pensa-se que por influência da comunidade moçárabe que estava muito ligada ao culto do padroeiro de Lisboa. Para conhecer a história do nosso padroeiro veja aqui.

O início do associativismo no concelho de Cascais surge ligado à Igreja atavés de irmandades e confrarias medievais com vocação para prestar auxílio aos mais necessitados. A Irmandade do Espirito Santo desde o sec XIV até meados do sec XX promovia a distribuição de pão e carne aos mais pobres, sendo a antiga “casa do bodo”, hoje o atual cartório paroquial, o local onde se efetuavam as funções à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. A criação da junta da paróquia de Alcabideche dá-se a 26-9-1841. As juntas de paróquia tinham poderes para administrar todos os bens e rendimentos pertencentes às respetivas igrejas. Deviam também tomar decisões de caracter administrativo e local. Actualmente a Paróquia de Alcabideche abrange as seguintes localidades: Abuxarda, Adroana, Alcabideche, Alcoitão, Alvide, Amoreira, Atrozela, Bicesse, Cabreiro, Cruz Vermelha, Janes Malveira da Serra, Manique, Murches, Neves, Pai do Vento, Pisão e Zambujeiro.